sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Para memória futura


Antes uma nota importante. Este post não deve ser lido por futuras mães de 1.ª viagem ou aspirantes a mães de 1.ª viagem.



Seria de pensar que no segundo filho já não houvesse espaço para muitas novidades mas a realidade, pelo menos a nossa, é outra. Dou por mim a dizer certa de 85 vezes por dia “não me lembro das coisas terem sido assim com a mais velha” o que me leva às seguintes hipóteses:
a) Aquilo que dizem sobre as gravidezes é mesmo verdade: todas são diferentes;
b) Aquilo que dizem sobre as gravidezes é mesmo verdade: esquecemos as partes más;
(a sabedoria popular nunca falha)

Posto isto, não vá eu daqui a uns anos achar que é boa ideia ir ao terceiro, fica aqui o registo para memória futura:
1. Há poucas coisas tão boas quanto o cheiro do nosso bebé.
2. Melhor, melhor... só mesmo aqueles sorrisos desdentados involuntários... derretem qualquer um!
3. Conhecemos finalmente a perfeição personificada: o nosso bebé a dormir tranquilamente!

Ah ah ah!! Apanhei-vos! Vá, xô daqui a vocês que ainda não pariram! É tudo muito bom e muito bonito e não se vão questionar nem por um segundo sobre o que foram fazer à vossa vida. Palavra. Agora vão ver, pela milionésima vez, se o bebé que têm dentro da barriga é do tamanho de uma semente de chia ou de uma melancia, depois passem pelo site da Zara Home e não se esqueçam de aproveitar os saldos da Verbaudet.

Este é o terceiro e último aviso. Já foram embora?!... Depois não digam que não vos avisei!

4. Parecemos um passador. Todos os furos do nosso corpo vertem durante um mês e há, pelas várias divisões da casa, vários vestígios disso mesmo: discos de amamentação, copas para os mamilos respirarem, vários tipos de pensos higiénicos e lenços de papel aos molhos porque qualquer coisinha nos dá para chorar.

5. A nossa cria parece um passador. Ele é cocós e xixis por todo o lado. Fraldas, trocador, paredes, nós, bodies... tudo é atingido pelo anticiclone de caca da vossa cria;

6. A quantidade de lixo produzido para conter o líquido que de nós sai é incrível. Produzir fluídos corporais em doses industriais, implica contê-los em doses industriais, vai daí o lixo produzido é comparável à de uma pequena suinicultura;

7. A cama do bebé tem picos. Apesar de conseguirem adormecer a fazer o pino ou pendurados por um braço, mal sentem a cama fofinha e fresquinha acordam como se fossem entrar ao serviço como polícias sinaleiros.

8. Se achávamos que matemática do 12.º ano tinha sido difícil estávamos bem enganadas... experimentem saber às quantas andam no que toca à mama em função (é suposto ir alternando entre mamas quando estamos a amamentar) e a horas de mamar... dêm-me trigonometria e equações do terceiro grau! Cá sei seu se na última vez dei a mama direita ou esquerda e se dei de mamar às duas da tarde ou às três!

9. “A chama imensa” está dentro de nós. E não estou só a falar de adeptas do glorioso crentes que ainda vamos ao penta, não! Estou a falar de todas quantas têm, como eu, um pingo de gente esfaimado que põe as nossas mamas a fazer horas extraordinárias! Entre mamilos e mamas, tudo está quente e dorido. (Para quem não tem a sorte de ser benfiquista a banda sonora será o “these girls are on fire”.)

10. Há acampamentos de festivais mais organizados que a nossa casa. Acontece um fenómeno extraordinário: a casa arruma-se a muito custo e 1,35 minutos depois já está virada do avesso. Ele é fraldas de pano em cima das cadeiras, a cadeirinha de embalar em cima da mesa, a taça de cereais, que íamos começar a começar quando a criança começou a berrar, em cima do braço do sofá, o conjunto de chá de brincar da mais venha no chão... (não tenho mais meia hora para continuar).

11. Somos o mapa do grande mundo dos cócós. “Dê maminha que é muito bom. Os intestinos funcionarão muito melhor”. Quão melhor? “Lava-jacto” melhor! E o rescaldo aterra onde? Em cima de nós! Há salpicos vindos da cena do crime (leia-se trocador) em todos os cantinhos mais recônditos a casa e de nós.

12. A máquina de lavar roupa está quase tão cansada quanto nós. Entre a roupa que a garota suja e aquelas que sujamos (voltamos há história dos fluidos corporais) é raro o dia em que não pomos trezentos quilos de roupa a lavar;

13. O parto não é o mais difícil disto tudo!! Não é não senhora. O mais difícil e conseguir viver, com tudo o que isso implica: cansaço e sono acumulado! Por muito bem que a cria mais nova e mais velha durmam, implica sempre acordar duas vezes para dar de mamar e outras tantas para dar água e afastar os sonhos maus.

Portanto, vamos lá repetir o mantra: não te voltarás a esquecer de tudo isto! Por muito bem que o bebé cheire (e cheira tão bem) e por mais ternurento que seja o sorriso desdentado!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Aviso à navegação: como sou eu que mando neste estaminé, quando não gostar dos comentários não os vou publicar. Temos pena mas é a vidinha. Todos os outros comentários são bem-vindos!